CARTÃO DE CRÉDITO

O Cartão de crédito é inegavelmente um instrumento de crédito que facilita a vida no dia-dia. Poder comprar sem usar dinheiro é mais seguro. O famoso dinheiro de plástico é universalmente aceito em todos os ramos da economia e notadamente no varejo.

Qualquer quitanda, lanchonete, loja de roupas, posto de gasolina aceitam essa modalidade de pagamento.

Grandes bandeiras internacionais dominam o setor: Visa e Mastercard. O que nasceu de uma reunião de pessoas (clube) privativo logo virou opção de crédito para milhões de consumidores.

Todos os bancos comerciais possuem cartões de crédito. Alguns deles de várias bandeiras diferentes. As financeiras e os bancos regionais também já lançaram mão dessa modalidade de financiamento ao consumidor.

É possível falar longamente dos benefícios do cartão de crédito, porém, ele não tem apenas benefícios.

Alguns especialistas são radicais quanto ao cartão de crédito e não recomendam o seu uso. Não é o meu caso. O cartão de crédito, se bem utilizado pode ser seu aliado.

Os cuidados:

  • O primeiro cuidado é não pensar que o cartão de crédito seja dinheiro. Seu limite do cartão não significa que você possui aqueles recursos (o mesmo vale para o cheque especial);
  • Acompanhe os gastos para saber se cabem no orçamento;
  • Verifique a data de vencimento e aproveite a possibilidade de até 40 dias para pagar comprando alguns dias antes do vencimento da fatura;
  • Evite possuir muitos cartões para evitar tentações e confusões;
  • Não coloque o cartão em débito automático, é importante verificar na fatura se não há cobranças indevidas ou taxas que você não contratou;
  • Não permita que a fatura do cartão de crédito seja a sua maior despesa do mês;
  • Nunca, jamais, em hipótese alguma pague o mínimo do cartão de crédito. Esse é um ponto que merece destaque. Os juros do rotativo do cartão de crédito são os mais altos do mercado. Estão acima de 10% AO MÊS. Só para fazer uma comparação a Taxa Selic está hoje em 8,25% AO ANO (2010). Essa taxa é uma monstruosidade e uma verdadeira ‘fábrica de empobrecimento’.

Quando se está no shopping center fazendo compras e se divertindo muito cuidado com a ilusão de poder que o cartão e outros instrumentos de crédito proporcionam. A fatura uma dia vai chegar. Em geral você até sabe o dia dela chegar.

Veja outros textos sobre CARTÃO DE CRÉDITO clicando AQUI.

#EducaçãoFinanceira #Poupança #Riqueza #IndependênciaFinanceira

cleber9998@gmail.com – Envie suas dúvidas

Siga no Facebook
www.facebook.com/CleberEducacaoFinanceira

Conheça o canal no Youtube:

https://www.youtube.com/channel/UCuuKLWNMbOTV55j3Ujk18Zw

O milionário mora ao lado

Estou finalmente lendo O Milionário Mora ao Lado de Stanley e Danko. Já conhecia o livro, os autores e o estudo e mesmo assim nunca tinha lido.
É incrível ver estatisticamente provado que só é possível acumular riqueza levando uma vida um pouco abaixo do que se poderia. Viver aquém das possibilidades da nossa renda.

Veja vídeo em que falo do livro:

Frugal
Frugal. Essa devia ser uma palavra ensinada nas escolas, no entanto, é um palavrão para muita gente. Frugalidade. Viver abaixo dos seus meios.
O livro é ótimo.. Tem muitas estatísticas brasileiras para comprovar o que os autores já constataram nos USA.O_Milionario_Mora_ao_Lado
De repente aquele vizinho que anda de roupas simples, carro usado não tem nada que chame muita atenção é mais rico do que você imagina.
O estilo de ostentação tão presenta da cultura pop de hoje em dia só beneficia a bancos e vendedores de artigos de luxo.
Para se tornar independente financeiramente você vai precisa viver um pouco abaixo dos seus meios de vida e poupar sempre.Essa vai se tornar uma linha de atuação desse blog, alertando para o consumo consciente e para um consumo que te permita se tornar independente, realizar os seus sonhos e não depender do trabalho para viver.

Este blog está crescendo muito. Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Viver dentro das suas possibilidades

Prezados leitores do blog, esse é um dos maiores desafios de nossa sociedade consumista e viciada em crédito. O que estou dizendo é algo tem assola a todos nós, todos os dias.

A mídia e a propaganda nos incentivam a possuir bens indicados para pessoas com um padrão de vida mais alto, leia-se renda mais alta.

Você certamente já encontrou pessoas que ganham 1 salário mínimo usando um celular que custa quase 1 mil reais.

Ultimamente estou usando muito o transporte coletivo público. É muito mais barato, só não é mais rápido. Aquelas pessoas ouvindo música nas alturas com seus celulares de última geração e um carnê infindável para pagar.

Quando estive com Reinaldo Domingos ele colocou uma frase mais ou menos assim: “A propaganda te incentiva a comprar o que você não precisa, com um dinheiro que não é seu, realizar sonhos que você não tem; para impressionar pessoas que voce não conhece”.

Já disse diversas vezes e repito, não há alternativa viável ao capitalismo, but, há alternativa viável ao consumismo irresponsável.

Não precisamos impressionar ninguém com posses. Você vai descobrir as delicias de andar com as próprias pernas e construir o próprio sucesso enquanto caminha.

Boa caminhada. Como dizem os chineses “uma longa jornada começa sempre com o primeiro passo”, creio que é algo do tipo. Como começar? Poupe R$ 1 hoje.

Este blog está crescendo muito. Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Educação para o crédito

Esse é um comentário do Blog do Crédito do Fernando Blanco, o link dele está ao lado no blog roll:

http://blogdocredito.wordpress.com/2009/07/10/in-obama-i-trust-part-iii/#comments

Julho 15, 2009 at 5:52 pm

Prezado Leandro,

A sua reflexão sobre a discussão econômica na mídia é algo que me intriga também – só que não é só na mídia.

Ao entrar em qualquer livraria, ao se deparar com os livros em destaque você notará um grande números de livros na linha do “Como ficar rico na bolsa” ou “Invista como Warren Buffet”.

Eu deploro isso. Na minha visão, o que está por trás deste processo é a vontade de se ganhar dinheiro fácil. E o pior é que não existe dinheiro fácil na bolsa – quem ganha fácil é porque teve sorte. Os campeões deste mercado ganham mais do que perdem e no longo-prazo.

Eu sou um autodenominado evangelizador da cultura do crédito. Falo sozinho, não é? Quem mais procura explicar como funciona este instrumento, este mercado? Para falar sobre bolsa tem fila de especialista.

E se tem muita oferta de guru, livro, blog, programa e notícia na mídia é porque…tem consumidor, tem ouvinte e leitor.

Eu tenho uma visão que a imensa maioria dos brasileiros não tem interesse em crédito – acham que “é assim mesmo e não tem solução” e “que banco é tudo igual”. Então, quando surge alguém falando sobre o tema não ninguém dá bola. E pagam juros altos…

Quanto à economia real, acho que há bastante espaço, mas nada comparável com o mundo maravilhoso das bolsas.

O que você chama de fomento de mais debate é o que eu chamo, por exemplo, de educação creditícia, i.e. capacitar o cidadão para que não seja lesado por juros tão altos. E em nosso país há espaço para um grande número de programas/debates voltados à capacitação, pois este é uma nação que nunca investiu em educação (em qualquer nível)…

Obrigado pela contribuição + abraços,
F.

Grande Fernando. Muito bom seu comentário.

 

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Troca de dívida

Troca de dívida é saída para quem está enforcado no cheque especial ou cartão

Algumas modalidades de crédito bastante populares como o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito possuem um elevado custo financeiro, ou seja, possuem juros muito altos. Os juros dessas duas modalidades de crédito são os mais altos entre todas as demais possibilidades de crédito existentes.

 

Sophia Camargo

Com a nova queda da taxa Selic é uma boa hora para trocar as dívidas com juros altos por outra com juros mais baixos. A estratégia é excelente especialmente para quem tem dívidas com altas taxas de juros, como cheque especial e cartão de crédito.

Para se ter uma ideia do alívio que isso representa para o consumidor, vamos tomar por exemplo alguém que estivesse devendo R$ 1.000,00 no cheque especial a uma taxa mensal de 9%. Segundo os cálculos do professor de matemática financeira José Vieira Dutra Sobrinho, se essa pessoa apenas pagasse os juros desembolsaria, por mês, R$ 90,00 sem que, no entanto, o montante de R$ 1.000,00 deixasse de existir. Se deixasse de pagar a dívida e esta se acumulasse, ao fim de 18 meses estaria devendo R$ 4.717,20!

Encontre Educação Financeira por aí na internet:

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Comendo hoje para pagar amanhã!!!

Segue abaixo post da Silvia Alembert da comunidade Dinheiro é Bom e eu Gosto do site de relacionamentos Limão.com, Silvia desenvolve a metodologia The Money Camp no Brasil. Muito instrutivo e um bom relato do estado das finanças das pessoas comuns no Brasil.

 

Esta reportagem saiu no jornal de Minas, mas é o que vem acontecendo com muitas das famílias brasileiras.

Pagar supermercado com cartão de crédito só dá certo se for feito um planejamento muito rigoroso, para que o cartão seja quitado na data do vencimento com o valor total da fatura.

O melhor ensinamento ainda é: “Se você não tem dinheiro para comprar à vista… você não tem dinheiro para comprar de jeito nenhum!”

Se a grana tá curta, não adianta empurrar as despesas com a alimentação pra frente. Você só vai arrumar mais problemas com dinheiro.

Lembre-se: o negócio dos bancos e administradoras de cartões de crédito é fazer dinheiro em cima do SEU dinheiro! 

 

cartao de credito
cartao de credito

CARTÃO DE CRÉDITO

Fonte: Estado de Minas

“Recorrer ao crédito nos supermercados e nas feiras para pagar a comida que ficou mais cara este ano pode representar ameaça certeira de rombo no orçamento. Por trás das ofertas e benefícios oferecidos nas compras a prazo de alimentos em Belo Horizonte, os juros cobrados do cliente chegam a 5,04% ao mês, em média, na fatura dos cartões próprios das redes varejistas, quase 10 vezes mais que a inflação medida em junho na capital mineira, de 0,52%. A dona-de-casa nem precisa fazer as contas para perceber o tamanho do encargo. Basta observar que apenas no mês passado a taxa superava toda a alta do custo de vida nos últimos 12 meses (de 4,06%), apurada pela Fundação Ipead, vinculada à UFMG.

Se a opção for pelos cartões de bandeira dos bancos ou das administradoras, parceiros ou não dos supermercados no crediário, a dívida pode crescer ao ritmo de até impagáveis 17% ao mês, num único momento em que a fatura deixar de ser liqüidada integralmente. “É onde mora o perigo”, alerta Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional de Executivos de Finanças e Administração (Anefac). Diferente da compra parcelada eventual de eletrodomésticos ou artigos de cama e mesa, os alimentos são uma despesa regular bancada com o salário de todo mês. As parcelas do financiamento no cartão vão se acumulando a cada nova compra, sem que a dívida anterior tenha sido encerrada.

O cliente que descuidar do controle dos parcelamentos ou deixar de pagar todo o valor de cada fatura cairá na armadilha dos juros. “O problema é que a dona-de-casa ou o chefe de família estão comprometendo o salário de amanhã para comer hoje. Se deixam de pagar, vão assumir uma dívida altíssima”, afirma Ribeiro de Oliveira. (…)”

Fale comigo cleber9998@gmail.com

Empréstimos – Modalidades

Cuidados ao tomar um empréstimo

Com os juros da economia em níveis tão altos quanto os que observamos hoje, fazer uso de empréstimos pessoais e financiamentos acaba sendo uma péssima prática para a saúde financeira de qualquer leitora. A palavra de ordem hoje é investir.

Porém, ao mesmo tempo em que observamos taxas de juros para investimentos tão interessantes, sofremos uma forte pressão no orçamento doméstico decorrente do constante aumento de preços, enquanto nossos ganhos mantêm-se estáveis. A conseqüência disso é que muitas leitores, sem conseguir reduzir seus gastos no mesmo ritmo em que os preços sobem, acabam tendo que recorrer a empréstimos. Nessas horas, é preciso planejar bem o compromisso que será assumido, para que o problema de hoje não se torne um tormento amanhã.

Veja como funciona cada modalidade de empréstimo:

Pedir emprestado a um parente ou amigo: muitas pessoas vêem este tipo de empréstimo como o ideal, uma vez que se pode valer do relacionamento para deixar de pagar juros. Cuidado! Se você não quer destruir um bom relacionamento, leve em consideração que a pessoa que lhe emprestar o dinheiro poderia estar obtendo juros no banco. Por isso, é sensato negociar o empréstimo pagando os juros que essa pessoa conseguiria em uma aplicação comum – que hoje não chegam a 2% ao mês. Esta seria a alternativa mais barata para se conseguir um empréstimo, porém não se devem esquecer os custos emocionais desta prática. Pedir um empréstimo a um amigo é uma situação tão constrangedora para quem pede quanto para quem recebe o pedido. Por isso, muitas vezes deverá partir de você a proposta de pagar juros e de assinar uma nota promissória (que nada mais é do que uma promessa de pagamento por escrito), preservando a confiança mútua e o relacionamento. Cuidado nesta hora também, pois a promissória não é interessante para quem deve, é uma confissão de dívida e pode ser usada contra você em uma eventual quebra de amizade. Evite propor prazos para quitar o empréstimo, pois geralmente somos demasiadamente otimistas ao planejar nosso futuro. Se seu amigo esperar o dinheiro dele de volta no próximo mês e não receber, sua credibilidade será abalada e a amizade deixará de ser a mesma.

Penhor de bens: uma alternativa aos parentes e amigos é o penhor, em que você pode entregar ao banco bens de valor – obras de arte, jóias ou outro bem de valor mensurável – como garantia de um empréstimo que lhe é feito. Como o risco de o banco não receber o dinheiro de volta é pequeno, pelo fato dele ter os bens para vender, os juros são bem mais baixos que em outras modalidades. Esta prática deve ser feita somente quando a situação de falta de recursos é provisória e há plena certeza de que algum recurso extra está para surgir e pagar a dívida. A razão para este cuidado é que o banco sempre avaliará o bem a um preço bem abaixo do de mercado, sem contar que ele não levará em conta o valor emocional. Uma jóia herdada dos avós, por exemplo, é avaliada por seu peso em metal precioso, não levando em conta nem o trabalho artístico.

Empréstimo com o banco: disponível a qualquer pessoa que tenha conta em banco, o empréstimo é a forma mais barata de se conseguir recursos sem comprometer amizades e bens de família. Basta procurar um gerente do banco e solicitar uma quantia, verificando o plano de pagamento. Porém os juros não são baixos, e por isso deve-se fazer uma boa pesquisa de taxas em diversos bancos antes de contrair o empréstimo. Não tenha a ilusão de que você conseguirá as melhores taxas no banco em que você tem conta por ter um bom relacionamento. Pesquise! O procedimento para se conseguir um empréstimo pessoal não é complicado, mas alguns bancos poderão restringir seu crédito se você estiver com o nome sujo na praça – em razão de um cheque devolvido, por exemplo.

Cheque especial: não é a forma mais barata, mas é a forma mais simples de se conseguir um empréstimo, pois não é preciso sequer contatar o gerente. Porém, deve ser terminantemente evitada, já que os juros praticados são muito mais altos que os do empréstimo pessoal – e todo cliente que tem um limite no cheque especial deverá ter no mínimo o mesmo limite para empréstimos pessoais. O limite do cheque especial só deve ser usado por um ou dois dias, quando acontece algum imprevisto (atraso no recebimento ou antecipação no depósito de cheques pré-datados, por exemplo).

Uso do crédito rotativo do cartão de crédito: é uma prática tão ruim quanto o uso do cheque especial, e por isso deve ser riscada de qualquer lista de alternativas. Na fatura do cartão, há um sugestivo valor mínimo a ser pago, possibilitando ao usuário do cartão o pagamento futuro do restante. Não caia nesta armadilha! Os juros são em geral iguais ou maiores que os do cheque especial, o que traria um desgaste e uma perda de dinheiro muito grandes nos meses seguintes. Pague sempre o valor total de seu cartão na data do vencimento; se não houver saldo na conta, contate seu gerente e peça um empréstimo pessoal.

Financeiras: emprestam dinheiro sem muita burocracia e a juros similares aos do cheque especial e do cartão de crédito. Em geral, atendem a clientes desesperados, que precisam de dinheiro urgentemente para quitar um penhor ou para não perder um bem importante que havia sido financiado. Como trabalham com os juros mais altos da economia, tendem a conduzir o devedor ao total descontrole da dívida, sujando seu nome nos sistemas de proteção ao crédito. Também devem ser evitadas como alternativa ao endividamento.

Agiota: é qualquer pessoa que dispõe de recursos financeiros e faz uso desses recursos para emprestar a terceiros. Quando pedimos emprestado a amigos e parentes, a agiotagem não se caracteriza porque há o vínculo do relacionamento. O agiota profissional é aquele que exerce de forma ilícita atividade similar à de um banco ou de uma financeira, porém sem fiscalização e sem pagar impostos. Cobra juros extorsivos e, em geral, exige como garantia de seus devedores a transferência de bens como automóveis e imóveis. Por não ser uma atividade regulamentada, não se preocupa em agir dentro dos limites da lei na hora de cobrar uma dívida, podendo se tornar um grande risco à estabilidade pessoal e familiar do devedor. Não apenas deve ser evitado como deve ser denunciado.

Substituição de dívidas
: ao precisar de dinheiro, uma alternativa interessante pode ser a venda de um bem para obtenção de recursos imediatos. Por exemplo, se você tiver uma dívida de R$ 15 mil e possuir na garagem um veículo já quitado com valor igual ou superior, pode vender seu automóvel e comprar um outro financiado. Esta prática não elimina a dívida, mas garante o pagamento de juros bem menores do que aqueles que você pagaria no empréstimo pessoal – hoje os juros de um financiamento de automóveis não chegam a passar muito dos 2% ao mês. Mas note que esta não deve ser uma prática a ser incentivada, uma vez que se está perdendo um bom valor em juros. Deve ser considerada apenas como uma alternativa ao empréstimo, quando este se faz essencial.

Empréstimo específico para casa própria, carro, cirurgia plástica e outros: a aquisição de empréstimos para bens e serviços cuja aquisição pode ser adiada é uma prática que deve ser evitada. Com juros altos, é muito melhor poupar para pagar à vista um pouco mais adiante do que desfrutar hoje e pagar muito mais caro no futuro, comprometendo boa parte de nossa renda com juros. Do ponto de vista financeiro, é muito mais barato e seguro alugar um imóvel enquanto se constrói uma poupança para adquirir um imóvel à vista no futuro (basta ter disciplina para fazer a poupança). Ao comprar um carro, é possível obter ótimos descontos pagando à vista. Quanto à cirurgia plástica, é muito mais saudável esperar um pouquinho e pagar à vista, pois é provável que as rugas que surgirão com a preocupação de uma dívida desnecessária exijam nova cirurgia em pouco tempo.

Estas informações serão bastante úteis na hora de escolher o tipo de empréstimo mais adequado a cada leitor. Porém, a dica mais importante é esta: procure quitar suas dívidas o quanto antes, para que você gaste menos dinheiro com juros. Se tiver várias dívidas, comece eliminando primeiro as mais caras, ou substituindo-as por mais baratas.

do site Mais Dinheiro, do Gustavo Cerbasi.

Livre-se do cheque especial

O que é cheque especial? É um dinheiro do banco disponível na sua conta (limite) e que você acha que é seu.

É um dos créditos mais caros do mercado. Milhões de pessoas usam cheque especial todos os dias. O que era para ser usado em caso de emergências vira solução de crédito.

Dêem uma olhada no vídeo abaixo que eu copiei do blog do amigo Fernando Blanco.

http://noticias.uol.com.br/ultnot/multi/2008/09/08/0402306ED8B90326.jhtm?cheque-especial-brasileiros-acumulam-divida-de-r20-bi-0402306ED8B90326

 

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Mão de Vaca

Descobri um blog aqui do WordPress mesmo chamado Blog do Mão de Vaca.

O cara é uma figura rara. Gostei. Acho que tratar de finanças pessoais pode ser divertido. Você não vai me ver usando palavrões, mas tratar da sua grana precisa ser legal. Dinheiro é uma coisa séria, boa, muito boa e precisa ser divertida.

Blog do Mão de Vaca. O cara tem os mandamentos do mão de vaca e tudo mais. Segundo o autor ‘comprar nunca é um bom negócio. A menos que você possa vender pelo dobro do preço depois’. Esse cara sabe mesmo das coisas. Recomendo.

É PRA JÁ!

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com

Recuperação financeira

Lá vai mais um post sobre recuperação financeira para quem está em dificuldades.

De ‘conhecendo suas contas’ à Auto-consciência.

O processo de auto-conhecimento é o mesmo que ficar a par da situação em que se encontra sua vida. Falando de dinheiro, conhecer a situação atual é colocar suas contas (hábitos) em um raio-x. Como começar?

Enumerar os seus gastos em uma simples tabela é o começo do nosso exame de sua saúde financeira.

Conta/Dia

Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Total

Alimentação

4,00

4,50

5,00

2,00

3,00

4,00

22,50

Transporte

5,90

1,80

4,00

3,20

2,50

3,00

20,40

Diversão

4,00

0,00

5,00

8,00

2,00

0,00

19,00

Outros

5,00

0,00

0,00

5,00

8,00

13,00

31,00

Total

18,9

6,30

14,00

18,20

15,50

20,00

92,90

Com essa simples anotação foi possível saber que a pessoa em questão gastou R$ 92,90 em uma semana. É possível saber que essa pessoa gastou R$ 20,40 com transporte na mesma semana. As contas vão variar de pessoa para pessoa, os valores também vão variar. O importante é saber para onde o dinheiro vai.

 

Saber o estado das suas contas é crucial se você quer estabelecer controle efetivo sobre as suas contas. Esse controle é primordial no processo de acumulação de dinheiro.

 

É PRA JÁ!

 

Estamos no FACEBOOK e no YOUTUBE.

Que tal começar a mudar sua vida financeira? Poupe hoje.

Entre em contato: cleber9998@gmail.com