Tarifas bancárias – A solução

Prezados. Minha novela com o banco chegou ao fim. Até aqui com final feliz igual a novela das oito.

A gerente não conseguiu que meu dinheirinho fosse devolvido, isso era esperar muito.

O que fizeram foi me isentar por 5 meses da tarifa bancária (hoje pago R$ 19,50 por mês). No final das contas fiquei feliz pelo resultado. Fazendo as contas me beneficiei. Não foi nenhuma esperteza. A decisão de fazer isso foi do banco.

Fiquei com a impressão de que se eu não fosse lá esse benefício não seria concedido. Isso me cheira a esperteza.

Os chamados ‘gerentes de relacionamento’ não fazem muito para regar diariamente o esse nosso relacionamento baseado em dinheiro. Esse é o que chamo de casamento por interesse.

Se eu não tivesse percebido a subtração do meu dinheiro (o que faço monitorando a conta diariamente) teria ficado por isso mesmo.

Isso me lembra os bilhões de reais de brasileiros largados abandonados nas contas, no PIS, em poupanças que não recebem mais depósitos. Se você perceber que os bancos tem milhões de clientes, cada centavo deixado lá por desavisados salva o bônus dos executivos.

Longe de mim satanizar os bancos, acho o melhor negócio do mundo, mas eles às vezes (às vezes?) não muito corretos com os seus humildes clientes.

Como prometido, o banco onde isso aconteceu foi o BANESTES – Banco do Estado do Espírito Santo. Esse banco esteve a ponto de ser incorporado pelo BB ano passado e não aconteceu o negócio.

Parabenizo os gerentes da agência onde tenho conta pelo bom senso na solução desse pequeno imbróglio.

Encontre Educação Financeira por aí na internet:

No Twitter:  www.twitter.com/minhagrana
Fale comigo:  cleber9998@gmail.com

Muito dinheiro…. Pouco dinheiro

Esse é a pergunta que não quer calar. R$ 1,00 é muito dinheiro?

Sim. Não. Talvez?

Sinceramente acho que R$ 1,00 é muito dinheiro.

Quando conseguimos juntar o dinheiro necessário para realizar algum pequeno sonho de R$ 10,00 ou R$ 20,00 entendemos o valor de R$1,00.

Experimente colocar no excel a seguinte conta. R$ 1,00 poupado por dia de vida. A minha conta ficou estratosférica, e nem sou tão velho assim.

Esse humilde educador já viveu 10.883 dias até  o momento que aqui escrevo.

Guardando R$ 1,00 por dia, corrigido pela poupança (0,6% ao mês) teria hoje R$ 39.000,00. Nada mal.

Considerando que para um deslocamento casa-trabalho-casa a gente gasta, no mínimo, R$ 4,00 diários.

Que me recorde o dito popular é “de grão em grão a galinha enche o papo”. segredo da riqueza não é a quantidade de dinheiro que guarda, mas o tempo. O tempo é o senhor da fortuna.

Encontre Educação Financeira por aí na internet:

Fale comigo:  cleber9998@gmail.com

Tarifas bancárias

Ainda me assusto ao perceber quantas pessoas ainda não tem conta em banco. São milhares de pessoas que não tem conta em banco. As que possuem pagam tarifas bancárias que são debitadas todos os meses.

Todo mundo que tem conta em banco (exceto a conta salário) paga alguma tarifa de manutenção da conta. A essa tarifa dá-se o nome de cesta de serviços. Essa cesta de serviços, segundo os bancos, serve para remunerar os serviços administrativos.

O valor vai variar em função da quantidade de serviços ou possibilidades ofertadas pelo banco ao correntista.

Tenho conta em um banco que me cobra uma generosa quantia por mês para manter a minha conta. Dentro do pacote está descrito quantos saques, TEDs, DOCs, TEFs e extrados podem ser feitos.

Certa feita fui surpreendido com um desconto de R$ 44,50 de minha conta. Ligando para o gerente fui informado que esse valore referia-se a cada TEF (Transferência Eletrônica) que eu realizava entre minha conta corrente e a poupança. Assim,  a cada TEF que eu realizei além da minha cota é cobrado, pasmem, R$ 1,30 por transação. Muito caro.

Explicando a razão do estouro. Eu não sabia a quantas TEFs tinha direito. Logo, fazia transferências todos os dias. Parece engraçado, mas é didático. Pratico o que incentivo e ensino. Transfiro para a poupança todos os valores que consigo economizar em um dia. Passagem de ônibus, combustível do carro, almoço e outros. Se economizo R$ 2,00 transfiro para a poupança.

Fiquei uma fera com o banco que ainda está revendo a possibilidade de ‘estornar’ o valor. Minhas transferências aconteceram dentro do mesmo banco, mesma agência. Estou aplicando no próprio banco.

Além do mais, os produtos da cesta que não utilizo não me são creditados em caso de não uso. Por que não? Quero ficar com crédito de DOCs, TEDs, extratos, saques e tudo o que pago para ter caso o banco não devolva meu suado dinheirinho que vai crescendo todo mês.

As tarifas bancárias são grande fonte de lucro para os bancos. São caras e, no caso desse banco, oferece pouquíssimos serviços e facilidades aos correntistas. Ainda não qual o banco, caso o problema não se resolva eu conto para todos.

Olho vivo, confira seu extrato sempre, continue poupando, continue enriquecendo.

Existem as contas eletrônicas. Ocorre que os bancos tentar empurrar produtos (inúteis) a todo custo.

Essa prática  de transferir dinheiro para a poupança ou outras aplicações foi automatizada. Não vale a pena ter que que fazer transferências todos os dias. Você precisa se concentrar em ganhar dinheiro na sua área de atuação. A ideia é ficar rico automaticamente. Faça essas transferências de maneira automática (deixe programado).

 

Fale comigo:  cleber9998@gmail.com